Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2013

De que lado está? Saber e ter opinião, faz a diferença...

Milu

 

Sou a MILU. Tenho 6 anos.
Por mim, é capaz de ler este texto?
De que lado está? Saber e ter opinião, faz a diferença...

Em Portugal, 8.142 crianças vivem em instituições.


Os responsáveis pela proteção da infância, ao longo de mais de 20 anos, encontraram sempre “boas” razões (e desculpas) para não promover uma mudança efetiva. 


A situação portuguesa é anacrónica mas também triste, uma vez que parece mostrar um país menos humano, quando, pelo contrário, somos um dos povos mais fraternos e solidários do mundo.


Tudo porque, na realidade, ao sistema de proteção da infância português, falta compromisso. 


Um compromisso claro, decidido e firme para uma progressiva diminuição das crianças que vivem em instituições, com prazos estabelecidos, e começando logo pelos mais pequenos. 


Num país tão solidário como Portugal, não é certamente por falta de famílias que nenhuma criança pelo menos até aos três anos de idade, teria de passar uma única noite num centro de acolhimento, se houvesse um programa efetivo de acolhimento familiar a funcionar, por todo o país. 
Famílias com vontade de ajudar existem, mas é preciso querer e saber procurá-las, cativá-las, prepará-las, apoiá-las e fazer com que a sua experiência seja positiva. Para as crianças implicadas, com certeza será.


A experiência da Mundos de Vida, à semelhança do que se faz noutros países, prova que é possível. Em poucos anos, através do nosso programa especializado de acolhimento familiar “Procuram-se Abraços”, em cooperação com a Segurança Social, encontramos e formamos 98 famílias de acolhimento de qualidade que já acolheram 72 crianças, num ambiente familiar, em dez concelhos dos distritos do Porto e de Braga. Estas crianças e adolescentes não precisaram de ser institucionalizadas. Queremos alargar e continuar com a nossa missão.


Mas o sistema de proteção português, continua a assentar, quase em exclusivo, na institucionalização e, apesar do discurso bem-intencionado que já tem 22 anos, parece estar conformado com o estado das coisas (a primeira Lei sobre acolhimento familiar é de 1992 mas, na prática, não foi aplicada até hoje, em muitas partes do país).


Na realidade, em Portugal, 95% das crianças separadas dos seus pais vivem em instituições (de um total de 8.557 crianças). É uma situação sem paralelo nos países desenvolvidos da Europa. No nosso país, apenas 5% das crianças vivem em famílias de acolhimento quando, por exemplo, em França, são 62% as crianças que vivem com uma família e, em Inglaterra, o número sobe para 75%.


Jesus Palácios, um dos maiores especialistas europeus, chama às crianças que vivem em instituições: "as crianças invisíveis" e afirma que, ali, passam muitos anos da sua infância e adolescência. E, quanto mais tempo, as crianças passam nos centros de acolhimento, mais difícil é encontrar-lhes uma alternativa familiar e mais danos acumulam. Infelizmente, são muitas as que acabam por permanecer institucionalizadas durante boa parte da sua infância.


Diz também Jesus Palácios, quando a criança se encontra numa situação de risco grave, o Estado tem o dever de a proteger. Em alguns casos, a proteção pode implicar separar o menor da sua família temporariamente ou permanentemente. A lei e as boas práticas internacionais, estabelecem que quando um menor tem de ser retirado da sua família por razões de dificuldade social grave, a alternativa prioritária deveria ser colocar a criança a viver noutra família, seja de acolhimento ou de adoção, conforme cada caso. Ambas as famílias são valiosas e devem ser socialmente reconhecidas. A família de acolhimento cuida de uma criança, em sua casa, temporariamente, até que possa voltar para junto dos seus pais ou ser maior e autónoma. Uma família de adoção passa a assumir a criança como seu filho, quando os laços se quebraram em definitivo com os seus pais ou familiares. São famílias diferentes, para situações diferentes, mas ambas preciosas.


Existe, hoje, uma clara evidência científica que expõe as graves desvantagens da institucionalização. Muito embora as instituições para crianças sejam cada vez melhores (nós também temos dois pequenos centros de acolhimento), não é menos verdade, que continuam a ser instituições. 
Nós, os humanos, somos feitos de uma matéria em que na infância, necessitamos de dedicação individualizada, de compromisso pessoal, e da presença, a toda a hora, de uma figura de apego que nos acarinhe e nos ame. 


Por isso, é lógico que a lei deva dar clara prioridade às alternativas familiares em detrimento das institucionais, como melhor resposta ao superior interesse da criança.


Se é melhor, na maioria dos casos, para uma criança viver num ambiente familiar, então, somos levados a pensar que o melhor (acolhimento familiar ou adoção) deve ser muito mais caro do que o menos desejável (a institucionalização). E, por isso, é que, em Portugal, a maioria das crianças vive em instituições. 


Será? 


É justamente o contrário. 


Uma criança que viva com uma família de acolhimento custa menos de metade ao Estado do que um menor que está colocado num centro de acolhimento. Para além de não ser necessário investir em estruturas residenciais dispendiosas, pois a família de acolhimento quando acolhe uma criança oferece a sua casa.


Por tudo isso, não é muito compreensível que não exista, ainda no nosso país, um programa claro para modificar este estado de coisas. Se é melhor para uma criança e também mais económico para o Estado, porque é que 95% das crianças vivem em instituições? 


A literatura científica diz que, no passado, aconteceu o mesmo noutros países. A única justificação é que é mais difícil organizar um sistema com base em famílias de acolhimento. 


Se os outros países conseguiram, não poderemos nós fazer o mesmo, em Portugal?
Não passou já tempo demais? Não será a hora de mudar esta realidade? 


Em Espanha, aqui ao lado, já existem comunidades onde, por Lei, para além de haver programas efetivos de acolhimento familiar, é proibido que crianças pequenas até aos 3 anos possam ser institucionalizadas, como acontece em vários países europeus (nalguns o limite é mesmo 6 anos). 


Para o sistema de proteção português começar a mudar, um sinal semelhante terá de ser dado.


A Convenção Internacional dos Direitos da Criança, que Portugal também assinou, afirma que uma “criança tem direito a crescer numa família”. Em 2014, a Convenção Internacional dos Direitos da Criança faz 25 anos.


Seremos nós capazes de transformar a celebração dos 25 anos, também numa data simbólica para o sistema de proteção da infância português?
Estaria disponível para ajudar a lançar uma petição, solicitando ao Parlamento, que aprovasse uma Lei que mandatasse os organismos do Estado, com a tutela da proteção à infância, a fazer duas coisas relativamente simples? (1) desenvolver, em todo o país, uma rede efetiva de acolhimento familiar; (2) não permitir, num prazo de dois anos, que uma criança até aos 3 anos de idade possa ser institucionalizada, devendo ser acolhida, se necessário de urgência, por uma família de acolhimento, enquanto é definido o seu projeto de vida pelas entidades competentes.
Tem mais sugestões?


Esperamos que 2014 possa ser um ano de mudança para a infância, no nosso país. Desejamos que o ano de 2014 seja mesmo um ano em que se comece a dar passos concretos para que, um dia, “todas as crianças possam ter direito a crescer numa família”!


Passo a passo, criança a criança, família a família, abraço a abraço cada um de nós é chamado a deixar uma pequena marca para mudarmos o futuro das crianças do nosso país.


De que lado está? 
Obrigada.

www.mundosdevida.pt

publicado por Jorge Soares às 12:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 3 de Março de 2013

Coisas que realmente fazem a diferença - Procuram-se abraços

Procuram-se abraços

Imagem do Facebook 

 

"Esta é a imagem da campanha "Procuram-se Abraços" 2013 da MUNDOS DE VIDA. Em outdoors, em folhetos, em spots nas rádios e através de vídeos, está na rua, durante dois meses, nos concelhos de Maia, Vila do Conde, Póvoa, Trofa, Santo Tirso, V, N. de Famalicão, Guimarães, Vizela, Barcelos e Esposende. Se gostava de ser família de acolhimento ou de saber mais sobre este tema, visite o site www.mundosdevida.pt, envie um email para mundosdevida@mundosdevida.pt ou telefone para 252499010. Em Portugal, 8.500 crianças vivem em instituições, muitas poderiam crescer melhor no seio de uma família de acolhimento como a sua."

 

Há coisas que realmente fazem a diferença, esta campanha é uma dessas coisas, porque pode realmente fazer a diferença para muitas crianças que não tendo como projecto de vida a adopção, podem desta forma vir a ter um lugar onde viver fora das instituições e uma família que lhes possa dar o amor a atenção e o carinho que merecem como qualquer outra criança.

 

Para as pessoas que não vivem nos concelhos em que trabalha a Mundos de Vida mas que tem o desejo de ser famílias de acolhimento, podem dirigir-se à segurança social da sua área de residência e manifestar a sua vontade, há muitas crianças noutras instituições por todo o país que também esperam por amor e carinho.

 

Por fim, nunca está demais recordar, as famílias de acolhimento não se podem candidatar à adopção e por lei o acolhimento ésempre temporário.

 

Vejam o Vídeo

 

 

Jorge Soares

Retirado do O que é o Jantar?
publicado por Jorge Soares às 22:57
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 25 de Fevereiro de 2012

Adopção, palavras de uma mãe, para reflectir

Adopção

 

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

O seguinte texto foi-me deixado num comentário ao Post Ainda as adopções falhadas e as crianças devolvidas  que copiei para o Nós Adoptamos. Apesar de olhar para o tema de forma diferente e até discordar de algumas das coisas, entendi copiar todo o texto já que representa a opinião de alguém que, imagino eu, passou ou está a passar por uma situação complicada, são palavras fortes, para ser lidas e reflectidas, com tempo voltarei ao assunto, por agora, deixo as palavras da Estrela.

 

Tenho estado a pesquisar sobre este caso e cheguei a isto: E pena haver tantos comentários de quem nunca adoptou, e para mais de quem não teve de passar anos em tratamentos de infertilidade até desembocar na adopção, não como a única resposta, mas com a esperança de que ao fim de tanto tempo tinha o direito de ser pai e mãe, construir uma família e ser feliz.

 

Mas como nada é perfeito, muito menos neste país, até os sinais de alerta dos novos pais, e dos novos filhos são ignorados por todas as técnicas do caso. A verdade é que nem todas as crianças, para não dizer quase todas... são abandonadas pela família, pelo contrário, mas são retiradas e nem sempre da forma mais correcta.

 

Depois, a Lei da adopção em Portugal é tão boa que foi alterada recentemente, e continua a ser insuficiente e pobre. As instituições que acolhem as crianças não lhes dão o apoio necessário, pelo menos a que tive oportunidade de conhecer, nem a nível alimentar, médico ou higiénico, quanto mais acompanhamento psicológico! Não as preparam para a possibilidade de virem a ser adoptadas, não lhe perguntam se o querem, não respeitam a sua vontade, mas a resposta que me deram é "são crianças, não sabem o que querem!" mesmo que queiram voltar para a instituição, o local onde sabem que a mãe prometeu ir buscá-los, e desesperam porque agora ela não sabe onde eles estão, mas estiveram lá 2 anos, e ela não foi...continuam há espera, até hoje, já se passaram anos, sofrem eles e nós pais também, nada podemos fazer.

 

Não aceitam a ajuda de nenhum técnico, ignoram a autoridade do adulto, usam-nos, rejeitam-nos, eles sim, desde o princípio rejeitaram-nos, até ao ponto de ir para um hospital por rejeitar a alimentação, por desistir de viver. E agora o que fazer? disseram que era a adaptação, que ao fim de 6 meses estaria tudo regularizado, ao fim desse tempo até um ano, e ao fim de 18 meses disseram que não tinham nada a ver com isso, estavam adoptados!

 

Os sonhos ficaram por isso mesmo, apenas a dor de não ter um filho que corra para nós à procura de um abraço, pergunto porquê e a respota não vem, ou tardiamente escuto "não sei".

 

As crianças deviam ser escutadas, olhadas com olhos de ver, nem todas querem uma casa onde há regras e figuras adultas, até porque as vítimas de abuso não têm isso escrito no processo, para não serem rejeitadas pelos candidatos. como se cura feridas que se desconhecem?

 

Quem ensina a quem vai pela primeira vez adoptar o que devia estar escrito, o que é que deviam mostrar e não está no processo? Eram estas perguntas que deviam fazer e pensar no sofrimento de quem toma estas decisões, na família alargada que os acolhe, ou não..."não havia lá mais pequenos?", "são tão grandes", "sabes lá se vão gostar de vocês!".

 

Quem vê crescer A BARRIGA, Dá mama, colo, ensina a falar, muda fraldas, dá biberão e recebe sorrisos, que É A ÚNICA MÃE, porque o pariu e o tem consigo nos braços não imagina a dor de todos os meses imaginar que está gravida enquanto decorre mais um tratamento de infertilidade, e depois adopta e é tratada como um alvo a abater.

 

São palavras fortes, eles não têm culpa não me escolheram, mas eu também não tive culpa, a não ser de ter a esperança de que viessem a gostar um pouco de nós em comparação com o que os amo. Agora podem indignar-se à vontade, principalmente porque escrevi muito!

 

Agradeço a vossa atenção, felizmente não conseguem ver as lágrimas. 

 

Estrela 

 

Post do O que é o Jantar?

Jorge Soares

publicado por Jorge Soares às 11:22
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Adopção: As crianças que ninguém quer... será que não quer mesmo????

Crianças

 

Há uns 2 ou 3 meses, a propósito de uma noticia que falava da existência de mais de 500 crianças no nosso país que ninguém quer adoptar, tive uma longa conversa com uma jornalista sobre os verdadeiros motivos que levam a que estas crianças fiquem encalhadas no sistema. Não vão voltar à família, o facto de ter sido decretado um projecto de vida que passa pela adopção normalmente significa que foram esgotadas todas as hipóteses de recuperação familiar. Por outro lado, não são adoptadas porque apesar dos milhares de candidatos que esperam um filho, não há quem consiga fazer o matching  com o candidato que as tire de um aparente limbo em que vivem.

 

Por norma o instituto da segurança social atira a culpa para os candidatos que só querem bebés, os candidatos que não querem bebés, eu por exemplo, atiram a culpa para a segurança social que só se preocupa com os seus candidatos e as suas crianças, sem se preocupar com o que acontece no distrito ao lado.

 

Uma das perguntas que me fez a jornalista foi, como é que isto funciona nos outros países? Na altura não lhe soube responder.. mas fiquei a pensar no assunto. Hoje alguém enviou por email este artigo da Isabel Stilwell no Destak onde podemos ler o seguinte:

 

"....é por isso que a Heart Gallery é uma ideia tão genial. A organização que se dá por este nome e defende que todas as crianças têm direito a uma família, percebeu a força de um bom retrato e conseguiu que 150 dos melhores fotógrafos norte-americanos aderissem à sua proposta: fotografar as crianças e os adolescentes que vivem em instituições ou em famílias de acolhimento, para um portfólio de crianças que precisam de pais a sério, e que pode ser visualizado em www.heartgalleryofamerica.org (vá também a www.time.com/time/photoessays/heartgallery/)"

 

Não é a primeira vez que ouço falar de algo assim, na Inglaterra há a semana da adopção, uma semana em que se chama a atenção para as crianças que estão para adoptar, fazem-se artigos nos meios de comunicação , reportagens na televisão em que se mostram as crianças, visitas aos centros de acolhimento, etc.

 

Como a maioria das pessoas que conheço, de inicio eu fiquei chocado, um filho não é algo que se escolha por catálogo ou porque se vê na televisão, mas a verdade é que está provado que durante essa semana muitas destas crianças são mesmo adoptadas porque alguém as viu e se apaixonou pelo seu sorriso. É uma forma de chamar a atenção para a adopção e de dar uma hipótese de vida a crianças que dificilmente as teriam de outra forma.

 

Como diz a Isabel Stilwell no artigo, é muito diferente ouvir falar de números, de que ainda por cima duvidamos, a ver rostos, crianças reais que existem mesmo. As experiências inglesa e americana mostram que as taxas de adopção aumentam significativamente e que são projectos de sucesso.

 

É claro que sei que Portugal não é os Estados Unidos, para o bem e para o mal estamos muito longe da mentalidade e das leis americanas, mas a verdade é que no nosso pais  o numero de crianças esquecidas aumenta todos os anos, e algo tem que ser feito. Por muito que a comunicação social repita até à exaustão que os candidatos só querem bebés, todos nós sabemos que isso não é verdade, há muitos candidatos que aceitam crianças mais velhas, que aceitam irmãos, que aceitam crianças com problemas de saúde... o que falta é a forma de juntar quem espera, a forma de juntar corações.

 

Passei algum tempo a olhar para as fotografias de sites como este: https://www.utdcfsadopt.org/heart_gallery.shtml, é verdade que quem vê caras não vê corações, é verdade que podemos pensar que escolher um filho por ali pode ser chocante.. mas se essa for a única forma de que estas crianças possam ter uma família, se for a forma de fazer com que a espera de tantas famílias seja menor .... será que não vale a pena? Será que é preferível que estas crianças  fiquem esquecidas para sempre nas instituições?

 

É claro que em Portugal não precisamos de ser tão radicais, não vamos colocar as fotografias das crianças na internet, mas que tal elaborarmos uma lista das crianças existentes, mesmo que sem fotografia, só com as suas características, que seja apresentada aos candidatos de modo a que estes possam pensar no assunto?

 

Todos ouvimos falar das 500 crianças... mas quando perguntamos, ninguém sabe como são, onde estão.. e elas continuam lá.. está na altura de fazermos algo para mudar isto... está mesmo.

 

Jorge Soares

 

PS:Post publicado inicialmente no O que é o Jantar?.

 

publicado por Jorge Soares às 23:52
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. De que lado está? Saber e...

. Coisas que realmente faze...

. Adopção, palavras de uma ...

. Adopção: As crianças que ...

.mais comentados

.arquivos

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

.links

.Visitas

Autenticação Moblig
blogs SAPO

.subscrever feeds